Itaú não dá resposta satisfatória à COE sobre modificações no AGIR

Em última reunião do dia 20, além de cobrar mais transparência no AGIR, COE cobra ajuste satisfatório do auxílio educação e respostas sobre as mudanças na área de negócios

Dando continuidade ao ciclo de reuniões entre os representantes dos bancários e representantes do banco Itaú, a Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú relata que as explicações da instituição financeira, dadas em reunião realizada na última sexta-feira (20), não foram convincentes. O Itaú não dá resposta satisfatória à Comissão sobre as alterações do Agir. Na ocasião, também foi discutida a pauta sobre auxílio educação e PCR.

Segundo o coordenador da COE Itaú, Jair Alves, há uma falta de comunicação do banco com o movimento sindical. “Os bancários de todo Brasil estão preocupados e descontentes com a política do Itaú em alterar as regras do AGIR no final de semestre, ou seja, as regras do programa foram alteradas no meio do caminho sem qualquer comunicado da instituição. Isso compromete a elegibilidade do programa e precisamos de uma definição definitiva sobre o que irá acontecer no AGIR”, explicou Jair.

De acordo com os representantes do Itaú, os comunicados que fazem parte do processo do AGIR, e que tenham ocorrido tardiamente, foram feitos de maneira que não criasse nenhuma novidade na elegibilidade, e também para atenuar as medidas na concessão de carência e inadimplência dos consignados. Contudo, ele concorda ter havido erros na comunicação, entretanto disse não ter sido intencional e que o objetivo sempre é de melhorar.

“Sobre a falta de clareza e objetividade do banco Itaú, nós cobramos que no momento da assinatura do PCR fique mantida a cláusula que garanta as regras do AGIR. Pois, não se pode mexer num programa já assinado e com as regras definidas”, explicou Jair e ainda acrescentou que além das mudanças no final do semestre terem causado apreensão na categoria, vale lembrar que o assédio por cumprimento de metas tem sido constante, o que só aumenta a insegurança no ambiente de trabalho que já se encontra precário.

Reajuste do auxílio educação está aquém da realidade
Outra cobrança da COE Itaú foi sobre a definição do auxílio educação. Para os representantes dos trabalhadores, o auxílio educação precisa ter um reajuste satisfatório, uma vez que o reajuste não foi feito com um percentual que condiz com a realidade dos bancários.

De acordo com os representantes da Fetec/CN, no ano anterior, houve bancários que não conseguiram ser contemplados com o auxílio educação. “Será preciso acelerar as discussões em torno do auxílio educação, pois as instituições educacionais em dezembro já devem abrir o período de matrículas. Além disso, o banco deve ser transparente e apresentar à COE o número total de inscritos dentro do programa e como foi feita a distribuição dentro do banco”, pontuou Jair.

De acordo com os representantes do banco, devido às alterações estruturais, será encaminhada uma definição da direção do banco para voltar com a discussões sobre auxílio educação e o PCR (que ainda não tem uma definição de valores), pois são oriundos da mesma fonte de financiamento e ambos terão que ser rediscutidos.

Demissões – Uma rotina amarga

Outro assunto destacado na reunião foi sobre as demissões que estão ocorrendo no Itaú. “Nos últimos dias houve em torno de 15 demissões de Go`s e GGC´s. São números que preocupam e têm gerado muita tensão nos bancários, que vêm cobrando uma posição dos sindicatos, já que os desligamentos estão virando uma rotina no Go’s”, ressaltaram representantes da Comissão.

Próxima reunião

A próxima reunião deverá acontecer na semana que vem, onde o tema teletrabalho será amplamente discutido, e a cobrança de uma definição concreta sobre a distribuição dos valores do auxílio educação.

Compartilhe:
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on print
Imprimir