Feeb avança na discussão de igualdade de gênero e oportunidades

Números apontam que, apesar das dificuldades, categoria bancária ainda é pioneira nas conquistas da mulher no mercado de trabalho

Nesta semana, a Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) promoveu um debate para tratar sobre a questão da mulher no mercado de trabalho. O encontro contou com ampla participação de dirigentes sindicais e de centrais nacionais, como representantes da UGT – União Geral dos Trabalhadores e do Dieese – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos.

“A atividade promoveu uma reflexão concreta da luta constante e permanente das mulheres e fortaleceu a necessidade de trazer o debate sobre a igualdade de gênero para discussões frequentes, além do mês de março. Só assim, podemos avançar rumo à construção de uma sociedade mais justa e igualitária”, pronunciou o presidente da Feeb SP/MS, Jeferson Boava.

A Mulher no Sistema Financeiro

Durante o debate, o economista do Dieese, Gustavo Cavarzam, apresentou percentuais de estudos da mulher no mercado de trabalho geral e no setor financeiro.

Entre os destaques estão a mulher como a maioria da população brasileira, sendo 52% dentre os 217 milhões de habitantes e o aumento de mulheres como chefes de domicílio, sendo, atualmente, 48% delas as principais responsáveis pelas finanças da casa.

Agravantes trazidos pela pandemia também foram pontuados, como o percentual de afazeres domésticos, o que segundo o economista, “demonstra o espelho das desigualdades”. “Enquanto 78% dos homens dizem realizar afazeres domésticos, como compras, pesquisas de preços, contratação e administração de empregados, 92% das mulheres apontam, entre os afazeres, preparaçao de alimentos, arrumação da mesa, cuidados com louça, roupas e casa. Ou seja, as informações demonstram uma desigualdade significativa, uma vez que as atividades ditas realizadas por homens são pontuais e pelas mulheres exigem maior tempo e dedicação”, explica.

Conforme estudos, a pandemia potencializou a função de cuidadora, sendo elas as responsáveis pelo acompanhamento e cuidado com filhos ou idosos. Doenças de ordem psicológica e baixa autoestima também foram agravadas no período.

Apontamentos
De acordo com a Feeb SP/MS, apesar dos comparativos do mercado de trabalho financeiro serem melhores que nos demais setores, uma grande diferença entre os gêneros ainda foi notada, assim como a necessidade de avanço da discussão.

As diferenças nas oportunidades de promoção no mercado de trabalho também foram ressaltadas. Cargos mais altos como superintendências e diretorias, ainda são em suas maiorias ocupados por homens. “Mesmo apresentando mestrado e doutorado, as mulheres ainda são a minoria entre os cargos mais altos”, destaca o economista.

“Muitas vezes nos deparamos com situações em que as mulheres são promovidas, mas a flexibilidade para uma mulher mudar de cidade, por exemplo, também é menor que para os homens”, pontua Thelma Regina Gomes, presidente do Sindicato dos Bancários de Três Lagoas.

Entre avanços apontados estão os canais de atendimento às vitimas de violência doméstica, os acordos assinados durante a pandemia, com cláusulas que preveem a volta para o trabalho presencial de mulheres com históricos de violência, a extensão da licença maternidade, dentre outras.

Questões sociais
As desigualdades são ainda maiores no caso de profissionais negras, trans, ou PCDs (pessoas com deficiências).

“Somos pioneiras na igualdade de oportunidades e trazemos um histórico de lutas e conquistas. O acesso a estes estudos e pesquisas, nos permite um diagnóstico mais preciso e a certeza do quanto ainda precisamos avançar. Por isso, cada vez mais a mulher bancária deve militar em todas as frentes, inclusive nas nacionais, em defesa da igualdade de gênero”, destaca Ana Stela, presidente do Sindicato dos Bancários de Campinas.

Opinião
“Diante dos apontamentos e números apresentados ficou clara a importância de inserirmos o tema com maior frequência em todas as discussões, sejam elas de emprego, saúde ou remuneração. O recorte de gênero deve ser inserido, sobretudo nos grandes temas nacionais, como a reforma no sistema financeiro e condições de créditos no país, por exemplo. Só será possível avançar nessa discussão quando deixarmos de ser barreiras”, conclui Boava.

Além da participação do Dieese, o debate contou com a presença das representantes da UGT, Regina Pessoti Zagretti, secretária da Mulher da UGT, Cássia Bufelli, secretária adjunta da Mulher e Josi Camargo, secretária de Formação.

Compartilhe:
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on print
Imprimir